As 10 coisas que eu odeio em você


Você chegou de repente, mudando todo meu itinerário, me fez dar o primeiro passo: te dar oi. Ao te ver chegando reparei no seu completo visual, cabelos escuros, caindo sobre o olho esquerdo, piercing na boca, calça jeans bem justa, camiseta branca e colete preto. Vendo você ali, parado em minha frente, acreditei que todos aqueles anos de imaginação tinham se tornado real, e pirei por isso.
Te dar oi, como disse, foi o meu primeiro passo, depois dali foi só você me encarando, com seu olhar profundo, imaginei você tocando guitarra pra mim, com todo aquele charme de guitarrista famoso, você finalmente disse seu nome, era Diego, adorei.
Parecia que realmente você tinha saído de um filme ou de um desses dvd’s de bandas de rock sabe você era aquilo ali, exatamente aquilo ali, sem tirar nem pôr. Você disse que adorava ouvir música, sair com seus amigos, ir a shows, e que estava sozinho no momento porque não tinha encontrado a pessoa ideal pra você. E eu estava ali, ouvindo tudo, quase babando sobre a roupa, e já estava ouvindo os sinos tocando, a música, vi a igreja lotada de gente, e você lá no final, perto do padre. Acordei. Concordei com tudo o que disse, sem nem saber o quê, mas estava com você, é claro.
Por todos os meus seguintes dias eu acordava pensando em você, comia pensando em você, dormia e sonhava com você, chegou o momento de um segundo encontro. Você me buscou em casa, conversou com meus pais, disse que estava tudo bem, que apenas iríamos sair para nos divertir, e meus pais adoraram você, diziam que era a pessoa certa pra mim, continuando a frase: “sem tirar nem pôr”.
Eu nunca me senti tão bem com alguém como quando você estava por perto, falava tudo sem preocupação, dizia minha opinião, e você ali, me ouvindo, concordando com tudo, nós éramos os mesmos, as mesmas pessoas, quase um só.
Cheguei um dia pra falar com você e nada, nem oi me disse, estava com outra garota, minha imaginação veio à tona, era ela, a garota dos seus sonhos, alguém que te entendia melhor, falava melhor, ouvia melhor, e sorria melhor. Imaginei vocês juntos, via você com ela e se divertindo como nunca acontecera entre eu e você. Resolvi ir embora daquele lugar, segurei você firme e disse: “você vai comigo, querido”.
Nós chegamos em casa, levei você para o quarto, tranquei você lá, fui para a sala e resolvi fazer uma lista, a tal lista de coisas, resolvi fazer uma lista de coisas que eu gosto de você, mas não, não conseguia pensar em algo bom, seria coisas que eu odeio em você, então escrevi.
1- Odeio quando você mente;
2- Odeio saber que sem você eu morreria;
3- Odeio ver você com seus amigos idiotas, isso também te faz assim, um idiota, e isso machuca;
4- Odeio a forma como me chama de volta a vida, apenas com um beijo;
5- Odeio sair com você, me divertir com você, e saber que amanhã é outro dia;
6- Odeio a forma como você me olha, e consegue ler minha mente;
7- Odeio não conseguir esconder nada a você, pois somos um só;
8- Odeio o fato de não me ligar;
9- Odeio o fato de não me encontrar;
10- E odeio mais que tudo o fato de cada vez mais te amar.
Pronto, estava ali a lista, feita. Nunca havia escrito nada tão real, mas estava ali.
Resolvi abrir a porta do quarto e encontrar você, falar com você e dizer o quanto eu o amava, mas era tarde, você não estava ali. Fui então para a cama, resolvi descansar um pouco, e então acordei com o despertador tocando, eram 10 da manhã, dia 10 de outubro (10) e aquilo tudo não passava de um sonho, você nunca saiu da minha imaginação.

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário

- Comente, mas algo que acrescente uma opinião, sempre com respeito.

- Siga o blog, mas deixe seu endereço para eu seguir de volta.

- Dicas, opiniões, sempre serão bem vindas.

E-mail para contato: dhfy.blogs@gmail.com

sábado, 19 de julho de 2008

As 10 coisas que eu odeio em você

Compartilhar
Você chegou de repente, mudando todo meu itinerário, me fez dar o primeiro passo: te dar oi. Ao te ver chegando reparei no seu completo visual, cabelos escuros, caindo sobre o olho esquerdo, piercing na boca, calça jeans bem justa, camiseta branca e colete preto. Vendo você ali, parado em minha frente, acreditei que todos aqueles anos de imaginação tinham se tornado real, e pirei por isso.
Te dar oi, como disse, foi o meu primeiro passo, depois dali foi só você me encarando, com seu olhar profundo, imaginei você tocando guitarra pra mim, com todo aquele charme de guitarrista famoso, você finalmente disse seu nome, era Diego, adorei.
Parecia que realmente você tinha saído de um filme ou de um desses dvd’s de bandas de rock sabe você era aquilo ali, exatamente aquilo ali, sem tirar nem pôr. Você disse que adorava ouvir música, sair com seus amigos, ir a shows, e que estava sozinho no momento porque não tinha encontrado a pessoa ideal pra você. E eu estava ali, ouvindo tudo, quase babando sobre a roupa, e já estava ouvindo os sinos tocando, a música, vi a igreja lotada de gente, e você lá no final, perto do padre. Acordei. Concordei com tudo o que disse, sem nem saber o quê, mas estava com você, é claro.
Por todos os meus seguintes dias eu acordava pensando em você, comia pensando em você, dormia e sonhava com você, chegou o momento de um segundo encontro. Você me buscou em casa, conversou com meus pais, disse que estava tudo bem, que apenas iríamos sair para nos divertir, e meus pais adoraram você, diziam que era a pessoa certa pra mim, continuando a frase: “sem tirar nem pôr”.
Eu nunca me senti tão bem com alguém como quando você estava por perto, falava tudo sem preocupação, dizia minha opinião, e você ali, me ouvindo, concordando com tudo, nós éramos os mesmos, as mesmas pessoas, quase um só.
Cheguei um dia pra falar com você e nada, nem oi me disse, estava com outra garota, minha imaginação veio à tona, era ela, a garota dos seus sonhos, alguém que te entendia melhor, falava melhor, ouvia melhor, e sorria melhor. Imaginei vocês juntos, via você com ela e se divertindo como nunca acontecera entre eu e você. Resolvi ir embora daquele lugar, segurei você firme e disse: “você vai comigo, querido”.
Nós chegamos em casa, levei você para o quarto, tranquei você lá, fui para a sala e resolvi fazer uma lista, a tal lista de coisas, resolvi fazer uma lista de coisas que eu gosto de você, mas não, não conseguia pensar em algo bom, seria coisas que eu odeio em você, então escrevi.
1- Odeio quando você mente;
2- Odeio saber que sem você eu morreria;
3- Odeio ver você com seus amigos idiotas, isso também te faz assim, um idiota, e isso machuca;
4- Odeio a forma como me chama de volta a vida, apenas com um beijo;
5- Odeio sair com você, me divertir com você, e saber que amanhã é outro dia;
6- Odeio a forma como você me olha, e consegue ler minha mente;
7- Odeio não conseguir esconder nada a você, pois somos um só;
8- Odeio o fato de não me ligar;
9- Odeio o fato de não me encontrar;
10- E odeio mais que tudo o fato de cada vez mais te amar.
Pronto, estava ali a lista, feita. Nunca havia escrito nada tão real, mas estava ali.
Resolvi abrir a porta do quarto e encontrar você, falar com você e dizer o quanto eu o amava, mas era tarde, você não estava ali. Fui então para a cama, resolvi descansar um pouco, e então acordei com o despertador tocando, eram 10 da manhã, dia 10 de outubro (10) e aquilo tudo não passava de um sonho, você nunca saiu da minha imaginação.

0 comentários:

Postar um comentário

- Comente, mas algo que acrescente uma opinião, sempre com respeito.

- Siga o blog, mas deixe seu endereço para eu seguir de volta.

- Dicas, opiniões, sempre serão bem vindas.

E-mail para contato: dhfy.blogs@gmail.com